Maria Macedo Barroso

Maria Macedo Barroso (UFRJ)

Venho pesquisando há cerca de duas décadas o tema da cooperação internacional junto aos povos indígenas, buscando desvendar a multiplicidade de atores, perspectivas e agenciamentos alocados sob esta rubrica, dentro de uma perspectiva sociogenética. A partir dela, tenho buscado localizar as diferentes tradições de conhecimento (acadêmicas, religiosas, étnicas, ambientais, entre outras) que vêm conformando este universo, formalmente instituído em meados do século XX, mas com origens e desdobramentos que nos remetem a diversos outros marcos e períodos históricos. Trabalhei inicialmente com o caso da cooperação internacional norueguesa, que teve um papel estratégico na definição dos índios como sujeitos de direitos na arena internacional a partir do último quartel do século XX, buscando analisar ao mesmo tempo suas relações com processos de formação do Estado, construção da nação e definição de fronteiras entre os grupos étnicos tanto na Noruega quanto nos países alvos de sua cooperação. Um dos resultados dessa pesquisa, realizada no meu doutorado, foi a constatação do peso dos atores religiosos no aparato do desenvolvimento, algo que me levou a direcionar o foco de meus trabalhos para a atuação de correntes missionárias que atuam junto aos índios com recursos desse aparato, privilegiando correntes cristãs protestantes de perfil ecumênico implicadas na definição de direitos indígenas. Creio que estes temas de pesquisa podem contribuir para o esforço de criar espaços de diálogos entre as duas áreas envolvidas no projeto, América do Sul e Oceania, na medida em que os atores enfeixados sob a rubrica da cooperação para o desenvolvimento (bancos multilaterais de desenvolvimento, agências bilaterais de cooperação, organizações não governamentais laicas e religiosas) têm produzido determinações jurídicas, econômicas e ideológicas sobre cenários nacionais, regionais e locais, conformando forças e dinamismos comuns que precisam ser desvendados para uma melhor compreensão das situações que intervêm sobre os destinos dos povos indígenas em diferentes espaços sociais e geográficos, e sobre os modos como os Estados nacionais têm se relacionado com eles. Dentro dos três eixos de pesquisa propostos pelo projeto, considero que meu trabalho se encaixa mais diretamente no eixo 1) relação entre populações e estado/políticas públicas, produção de alteridade e identidade, cidadania.

Resumindo as vertentes em que venho trabalhando e publicações que apresentam resultados de minhas pesquisas sobre elas:

1) Relação entre construção de fronteiras étnicas, fronteiras de Estado e processos de formação da nação a partir de mecanismos de cooperação internacional juntos aos povos indígenas

Artigo:

BARROSO HOFFMANN, Maria. 2011. “A produção social do desenvolvimento: observações a partir do caso norueguês”. Mana, 17(3): 519-548

2) Processos de territorialização de povos indígenas no Brasil associados à intervenção de agências de cooperação internacional

Artigo:

BARROSO HOFFMANN, Maria. 2010. “Mapeamentos participativos e atores transnacionais: a formação de identidades políticas para além do Estado e dos grupos étnicos”. In: ACSELRAD, Henri (org.) Cartografia social e dinâmicas territoriais: marcos para o debate. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, p. 47-80.

3) Lógicas de espacialização missionária de grupos cristãos de perfil ecumênico que atuam junto aos povos indígenas com recursos do aparato do desenvolvimento

Artigos:

BARROSO, Maria Macedo. 2015. “International development cooperation: debating religious and humanitarian approaches in Norway”. Sociologia e Antropologia, 5(2): 381-404.

BARROSO, Maria Macedo. 2015. “Lógicas de espacialização missionária e agendas da cooperação internacional: uma perspectiva multissituada a partir de ações junto aos povos indígenas”. Religião & Sociedade, 35(2): 189-212.

Obs: Gostaria de acrescentar que no campo das políticas públicas voltadas aos povos indígenas no Brasil, fui co-cordenadora do projeto Trilhas de Conhecimentos. O ensino superior de indígenas no Brasil, juntamente com Antonio Carlos de Souza Lima, algo que me permitiu refletir sobre outra das vertentes de interesse do projeto, qual seja, a da definição das linhas de ensino e pesquisa voltadas ao povos indígenas que estão chegando às universidades brasileiras como resultado das políticas de ação afirmativa e da criação dos cursos de licenciatura intercultural voltados aos índios. Indico abaixo publicações relacionadas a essa frente de atuação, que podem ser de interesse do projeto:

BARROSO HOFFMANN, Maria Barroso, LUCIANO, Gersem do Santos e CARDOSO DE OLIVEIRA, Jô (org.). 2010. Olhares indígenas contemporâneos, Brasília: CINEP.

BARROSO HOFFMANN, Maria Barroso, LUCIANO, Gersem do Santos e CARDOSO DE OLIVEIRA, Jô (org.). 2012. Olhares indígenas contemporâneos II, Brasília: CINEP.

BARROSO, Maria Macedo. “Da formação de professores à presença indígena nos cursos universais: o Trilhas e a superação da tutela pelo ensino superior”. In:__ e SOUZA LIMA, Antonio Carlos (org). 2013. Universidade e povos indígenas no Brasil: contextos e perspectivas. Rio de Janeiro: Epapers. p. 79-108.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search